Homem condenado por afirmar curar cancro com dieta

O caso já não é de hoje, mas foi agora confirmada a condenação de Errol Denton, no Reino Unido, por incumprimento do Cancer Act, que impede que alguém anuncie que pode curar cancro.

Segundo anúncio no sítio Court News UK, o terapeuta perdeu o recurso interposto após condenação em Março deste ano. Errol Denton tinha sido condenado por publicidade ilegal acerca de tratamentos para cancro após afirmar que podia curar doenças mortais com “alterações no estilo de vida” dos pacientes. Dizia também às mulheres para evitar “acidez” nos seios.

Cancro

Segundo Denton, teria tratado “2000 clientes satisfeitos” apenas com alimentos e sem medicamentos.

Errol Denton praticava o que designa por “live blood analysis“, recolhendo uma pequena amostra de sangue do paciente e observando-a ao microscópio, retirando daí conclusões acerca das doenças que o doente possa ou não padecer, incluindo cancro. Isto pelo “módico” preço de 195£ (cerca de 250€). Num dos seus sítios na Internet, o Live Blood Test, afirma que o objectivo da análise não é apenas analisar o sangue, mas ter a oportunidade de prevenir doenças através de hábitos de nutrição adequados, diminuindo a acidez em excesso e as toxinas para restaurar a saúde do sangue. Descreve-se a ele próprio como microscopista nutricional e iridologista. Estas afirmações não têm qualquer validade médica.

Apesar dos processos em tribunal e das condenações, continua a exercer em Londres e no Dubai.

Como cusiosidade… Denton teria dito a Kate Middleton para queimar o sutiã para evitar o cancro de mama.

Mais pormenores, nesta notícia do jornal The Telegraph.

4 Responstas a “Homem condenado por afirmar curar cancro com dieta

  • Lei convenientíssima, essa que proíbe que alguém anuncie que pode curar o cancro, para o lobbies das farmacêuticas…

    • Lei de 1937 que impede que charlatães enganem as pessoas.
      Sim, é muito conveniente!
      Pena que não tenhamos uma em Portugal.

  • @Igonorante, a lei inglesa impede que alguém anuncie que se pode curar o cancro… a menos que possa provar que efetivamente se possa! Duh…

    • E na verdade, a lei portuguesa também proíbe a publicidade enganosa. Também é proibida a publicidade a medicamentos sujeitos a receita médica. Daí não existir publicidade a medicamentos que curam A ou B.

      Existem é maneiras de contornar a lei, ou passar mesmo por cima da lei, mas isso é feito pela indústria dos suplementos alimentares (que por vezes é a mesma que a Indústria farmacêutica). É que dá muito trabalho classificar algo como medicamento – tem de se fazer prova que realmente cura a doença e isso os promotores de comprimidos milagrosos não estão dispostos a fazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

%d bloggers like this: