Médico internado compulsivamente. Um caso de injustiça?

O jornal Público noticiou na quinta-feira o caso de um médico internado compulsivamente por acreditar que pode curar diabetes e cancro. O médico tinha consultório no Algarve, local onde praticava clínica geral e medicina alternativa utilizando “a força que aprendeu com Deus”. Aos psiquiatras que avaliaram a sua saúde mental, terá confessado estar convencido de que viria a receber o prémio Nobel pelas “curas” que desenvolveu. Administrava, contudo, tratamentos perigosos e sem qualquer fundamento científico. Defendia, por exemplo, que era capaz de curar a diabetes em apenas dez dias com doses maciças de insulina. Alegadamente, sofrerá de uma “perturbação paranóide de personalidade” e “carácter megalómano”.

Paranóia e delírios de grandeza são características com as quais os cépticos se deparam frequentemente quando as terapias não-convencionais são o assunto. Desde alegações de conspirações da comunidade médico-científica contra determinada prática alternativa, até às lamentações de génios incompreendidos que, após a “descoberta” de uma qualquer panaceia, se sentem extremamente melindrados pelo cepticismo alheio.

Este caso levanta por isso uma série de questões interessantes. Porque se o “perigo para si próprio” até pode ser uma justificação para privar este médico do direito à liberdade, outros argumentos há que são mais difíceis de entender. Nomeadamente, o argumento de que ele constitui “um risco inaceitável para os pacientes” que sejam “enganados pelo exercício dos seus poderes místicos”. E se, à primeira vista, parece difícil encontrar uma falha em tal argumento, vejamos então as diferenças entre este caso e a forma como outros médicos e terapeutas são tratados pela Ordem dos Médicos, os legisladores e a sociedade em geral:

  • Qual é a diferença entre este médico e um terapeuta que defenda ser capaz de diagnosticar doenças graves pela íris e de curar o cancro com raízes? O risco para pacientes com doenças graves? Não. Mas o segundo tem direito a ser promovido no telejornal com toda a seriedade;
  • Qual é a diferença entre este médico e um terapeuta que defenda que o espiritismo é uma ciência e que deve ser incluído na prática médica? A cédula profissional de médico? Também não. De facto, existem médicos psiquiatras que fazem parte de uma associação de médicos espíritas que defende precisamente isso;
  • Qual é a diferença entre este médico e um terapeuta que defenda que consegue tratar várias doenças manipulando a coluna vertebral? A potencial perigosidade do tratamento face aos dúbios resultados? Não parece ser. E do médico, pelo menos, ainda não se conhecem queixosos;
  • Qual é a diferença entre este médico e um terapeuta que defenda desinformação anti-vacinação? A promoção de ideias sem fundamento científico? Um redondo não. Mas o último é convidado da RTP1 e da Ciência Viva do Algarve;
  • Qual é a diferença entre este médico e um terapeuta que defenda que consegue tratar um sem número de doenças com limpezas intestinais? A falta de regulamentação das práticas em questão? Claramente, não. Basta ter um estômago forte para o negócio;

Bem vistas as coisas, a diferença de tratamento parece residir sobretudo na popularidade das práticas em questão, e não na perigosidade ou credibilidade científica das mesmas. A defesa de crenças que estão em conflito com a realidade também pouco terá a ver, já que isso não parece levantar dúvidas sobre a saúde mental de outros terapeutas. Pelo contrário, alguns viram mesmo essas crenças validadas pela Lei. Desta forma só se pode concluir que o internamento compulsivo deste médico é um acto de tremenda parcialidade e injustiça.

Marco Filipe

Licenciado em Genética e Biotecnologia e mestre em Biotecnologia para as Ciências da Saúde. É colaborador da COMCEPT desde o início e o repórter n.º1 da PetaNews – a melhor agência de jornalismo alternativo e complementar do Universo. Nutre um particular interesse pelos temas da pseudociência e do negacionismo de ciência, sobretudo, pelos perigos que representam para a sociedade.

Trackbacks & Pings

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

%d bloggers like this: