A Atlântida foi ao fundo!

Para surpresa de todos, o Instituto Hidrográfico vem negar a existência de uma pirâmide submersa nos Açores.

Depois do dilúvio, há uns milhares de anos, agora foi o Instituto Hidrográfico a aniquilar a Atlântida!

Lemos ontem na imprensa que o Instituto Hidrográfico (IH) revelou dados da área onde deveria encontrar-se a pirâmide submersa, mencionada em post anterior. Parece que este instituto havia efectuado um levantamento em 2009 nesta e noutras áreas do arquipélago.

Segundo o Público, num comunicado a Marinha portuguesa refere:

Nos dados de profundidade do levantamento hidrográfico, realizado em 2009, não é possível confirmar a existência de tal figura geométrica, com a forma e dimensão divulgada, registando-se apenas uma elevação submarina, semelhante a outras elevações detectadas no Banco D. João de Castro.

E ainda:

Nos modelos batimétricos gerados a partir dos dados existentes no IH, não é visível qualquer estrutura com a profundidade mínima de 40 metros, registando-se nessa posição [o local da suposta pirâmide subaquática] profundidades da ordem dos 540 metros. Estes dados foram recolhidos através de equipamentos de alta definição [ver imagem abaixo].

.

A "pirâmide" de acordo com o levantamento do IH
A “pirâmide” de acordo com o levantamento do IH. Crédito IH.

.

Não podemos colocar de parte três hipóteses:

  1. Estava lá, de facto, uma pirâmide mas a Marinha bombardeou-a com um dos seus preciosos e polémicos submarinos.
  2. Está lá uma pirâmide mas não estava lá em 2009. A nave marciana aterrou entretanto.
  3. Está lá de facto uma pirâmide, mas a Marinha portuguesa integra um conluio para omitir das pessoas a verdadeira história da humanidade.

.

Agora um pouco mais a sério, espero que a negação tenha tanta publicidade quanto a afirmação da presença da pirâmide. Seja como for, o estrago está feito.

Será que os jornais aprendem assim a ter alguma cautela com o que publicam?

Entretanto, ficamos à espera do resultado das averiguações às outras descobertas – em terra firme – nos Açores, mencionadas num post mais antigo. A Direcção Regional da Cultura juntou alguns especialistas para averiguar as alegações de uma colonização pré-portuguesa do arquipélago. Ficamos à espera.

Poderão contar com a Comcept para divulgar os resultados, quaisquer que eles sejam.

.

Outros artigos
“Sem Limites” ou “Com Mazelas”?
João L. Monteiro
Cépticos no Museu… e Jardim
D. Barbosa
Nomeações para o Prémio Unicórnio Voador 2022
Comcept